Hilma Hooker: o cargueiro que virou local de mergulho

Hilma Hooker: o cargueiro que virou local de mergulho

imagem-destacada-hilma-hooker-o-cargueiro-que-virou-local-de-mergulho
Era verão de 1984 quando o Hilma Hooker, cargueiro holandês de 1951, apresentou problemas em Bonaire, no Caribe, e foi rebocado porto de Kralendijk com dificuldades técnicas.  A embarcação de 236 pés, construído em Krimpen aan den IJssel, na Holanda, começava a levantar suspeitas das autoridades locais.
De pose da documentação do navio, elas fizeram uma pesquisa na Interpol e no FBI e descobriram que o cargueiro vinha sendo investigado por tráfico de drogas. Vasculhando a embarcação, descobriram uma falsa antepara com 10 toneladas de maconha. A tripulação do Hilma Hooker foi presa e, o navio, apreendido.
Mas operadores de mergulho viram na embarcação uma possibilidade de construir um local que serviço de atração para quem quisesse se aventurar nas águas de Bonaire e pressionaram o governo. A localização do naufrágio foi escolhida a dedo para mergulhadores; fica a pouca distância da costa, próxima a dois recifes de coral e dentro de limites do mergulho recreacional. No 12 de setembro de 1984 o Hilma Hooker foi afundado.
Este vídeo mostra como é explorar o cargueiro holandês. Em nosso último post mostramos a farra do uísque.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Conheça o cemitério dos transatlânticos na Turquia

Conheça o cemitério dos transatlânticos na Turquia

imagem-destacada-conheca-o-cemiterio-dos-transatlanticos-na-turquia

A crise provocada pelo novo coronavírus acertou em jeito as empresas de cruzeiro. Um sinal disso está na cidade de Aliaga, na Turquia, onde está localizado um estaleiro especializado em reciclagem naval e que agora é o destino de transatlânticos de empresas como Pullmantur, Carnival Cruises e Royal Caribbean.

Uma matéria do jornal O Globo mostra que a cidade, que está bem próxima de portos turcos de Bodrum, Kusadasi e Istambul, que dão acesso mezzo europeu e mezzo asiático, virou destino para os transatlânticos. A crise na indústria de turismo fez que os cruzeiros sumissem do litoral da Turquia e, quando eles aparecem, o destino é o ferro velho de Aliaga.

Algumas das embarcações já estiveram na costa brasileira. Mas enquanto a situação na área turística é bem ruim, quem trabalha no desmonte dos transatlânticos não tem do que reclamar. Segundo Kamil Onal, presidente de uma das associações de reciclagem naval da cidade, o movimento desse setor nunca foi tão bom.

Mas depois da pandemia, os navios de cruzeiro mudaram o curso em direção a Aliaga de uma forma muito significativa. Houve um crescimento do setor por conta da crise. Quando os navios não encontraram trabalho, passaram a desmontar“, disse em entrevista à Reuters.

Alguns desses transatlânticos são considerados clássicos como é o caso do Sovereign,  considerado um dos primeiros “meganavios”. Ele foi o precursor das embarcações gigantescas que conhecemos atualmente hoje. Com 12 deques, foi o maior navio do mundo em sua época, e estabeleceu padrões de grandeza, design e áreas de lazer a bordo seguidos pelas décadas posteriores. Esteve no Brasil em 2008.
Outro clássico que está sendo desmontado é o Monarch, inaugurado 1991 e que é de uma classe semelhante ao Sovereign. Ele foi o primeiro grande navio de passageiros a ser comandado por uma mulher, a sueca Karin Stahre-Janson, em 2007. Mas nem toda essa história foi capaz de impedir o destino dele.
A matéria mostra ainda que o desmantelamento de um navio de passageiros completo, do porte dos transatlânticos, pode levar cerca de seis meses. Até janeiro de 2020, o  estaleiro gerou um volume de 700 mil toneladas de aço desmontado e deve chegar a 1,1 milhão de toneladas por mês até o final do ano. Nesta área nada é desperdiçado e até os componentes não metálicos são reaproveitados por gente do setor de hotelaria, que visitam o local para procurar itens.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Naufrágio criou ‘farra do uísque’ na Escócia

Naufrágio criou ‘farra do uísque’ na Escócia

imagem-destacada-naufragio-criou-farra-do-uisque-na-escocia
Sempre gostamos de falar sobre mistérios e lendas, mas sem essa de história de pescador.  Foi o caso do naufrágio do cargueiro SS Politician, na Ilha de Eriskay, costa Escócia, durante a 2ª Guerra Mundial. Esse navio gerou uma farra do uísque, na época uma bebida muito valiosa por causa da escassez.

Conheça a história neste podcast da BBC Brasil.

Como foi mostrado pela emissora, a farra do uísque virou livro e ele foi adaptado para o cinema. A comédia ‘Wishy Galore’ (2017) é uma refilmagem de uma produção lançada em 1949.
Alguns mergulhadores visitaram o naufrágio escocês em 2016 e colocaram as imagens no YouTube como mostra o vídeo abaixo.
A farra do uísque lembra muito o ‘Verão da Lata’, ocorrido no Brasil em 1987.  Mas isso é história para outro post.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Sete curiosidades sobre Jacques-Yves Cousteau

Sete curiosidades sobre Jacques-Yves Cousteau

imagem-destacada-sete-curiosidades-sobre-jacques-yves-cousteau

A vida do oceanógrafo Jacques-Yves Cousteau foi cheia de aventuras e grandes contribuições para a ciência. Para mostrar a importância deste francês, trouxemos algumas curiosidades sobre ele.

Acidente

Jacques Cousteau sonhava em ser uma aviador naval, mas um grave acidente de carro, aos 26 anos, mudou tudo. Não pode voltar ao treinamento para pilotar um avião e teve que fazer exercícios para fortalecer os braços quebrados, com isso resolveu nadar.

II Guerra

Foi premiado com a Cruz Militar por causa do engajamento na luta contra os nazistas. Serviu como oficial de artilharia na Marinha francesa, atuando numa operação de bombardeio a base naval italiana em Gênova. Quando a França se rendeu, em 1940, ele trabalhou no serviço de inteligência.

Calypso

Em 1950 a Guiness compra o Calypso, um antigo caça-minas usado na II Guerra. O navio foi alugado para Cousteau, agora com 40 anos, pelo preço simbólico de 1 franco por ano. Cousteau adaptou o Calypso como laboratório móvel para pesquisa de campo e como seu principal veículo para mergulho e filmagem.

Primeiro livro

Foi a bordo do Calypso que Cousteau filmou ‘Silent World’, uma versão cinematográfica do seu livro homônimo. Feito em cores, o documentário mostrava imagens submarinas e ganhou o Oscar de Melhor Documentário em 1957.

Cidade submarinas

Talvez uma curiosidades mais interessantes sobre Cousteau é que ele participou de três projetos para a construção de cidades submarinas na década 1960: Precontinent I, Precontinent II e Precontinent III. A ideia era fazer com que as pessoas pudessem viver e trabalhar no fundo do mar.

Viagem à Amazônia

Nos anos de 1980, quando a Amazônia era desconhecida da maioria das pessoas, Cousteau e o Calypso estiveram aqui. Permaneceram na região por 1 ano e meio. Ele definiu como uma das aventuras mais importantes da vida. A viagem rendeu livros e documentários.

Morte

Um ataque cardíaco levou Jacques-Yves Cousteau em 25 de junho de 1997, duas semanas após o seu 87º aniversário. Ele foi enterrado no vilarejo onde nasceu, chamado Saint-André-de-Cubzac. Em homenagem ao oceanógrafo, uma rua da região foi batizada de ‘Rue du Commandant Cousteau’.

Cousteau definiu desta forma o seu primeiro mergulho, em 1943:

Olhei para o mar com o mesmo sentimento de invasão que senti em cada mergulho. Um pequeno canyon abriu-se abaixo, cheio de plantas aquáticas cor verde-escura e ouriços do mar negros e de algas brancas que pareciam pequenas flores. Alguns peixinhos surgiram no cenário. A areia escorregou para o infinito claro e azul. A luz do sol incidiu nos meus olhos com tal brilho que eu mal podia abri-los. Mantendo os braços ao longo do corpo, movi as nadadeiras lentamente e desci, ganhando velocidade, vendo a praia sumir. Parei de bater as pernas e o impulso me fez deslizar de um modo fabuloso.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Mostramos cinco apps essenciais para mergulhadores

Mostramos cinco apps essenciais para mergulhadores

imagem-destacada-mostramos-cinco-apps-essenciais-para-mergulhadores

A tecnologia pode te ajudar a melhorar a experiência de mergulho com aplicativos. Instalados no celular, eles podem fornecer informações, ajudar no planejamento ou te ajudar a organizar os registros de suas aventuras. Conheça 5 apps que você deveria ter no seu celular.

DiveMate (Registros de Mergulho)

É um dos aplicativos mais populares para registro de atividades de mergulho, disponível para Android e iOS. Você vai poder colocar notas, vídeos e fotos e todas informações podem ser sincronizadas com o computador. Ele funciona mesmo quando não há conexão com a Internet, além de você pode registrar todos os dados técnicos sobre o mergulho como pressão, parâmetros de gás, peso, etc.

Deepblu

Também é um aplicativo usado para registrar atividades de mergulho. Além disso, ele te ajuda a descobrir outros pontos de mergulho e a planejar viagens baseando nas críticas de outros usuários. Há também a possibilidade de compartilhar fotos e vídeos com outras pessoas dentro do aplicativo.
Para quem trabalha na área de mergulho, o aplicativo permite que você anuncie serviços, criando pacotes e experiência de viagem. Também tem opções para que mergulhadores marquem encontros e se comuniquem dentro do programa. É reconhecido pelas organizações de mergulho como IDA, ITDA e DIWA.

Diverboard

É um outro aplicativo para registro de mergulho, no qual você pode colocar fotos, vídeos e todas informações técnicas da sua aventura e até as espécies que você encontrou naquela região. Ele também mostra quais são as lojas e os serviços próximos de onde você mergulhou, caso você queira mais comodidade.

iDeco Pro

Esse app é voltado para mergulhadores profissionais, pois ele tem monitoramento para descompressão e quantidade de gás usado. O programa ajuda também quem faz mergulho em circuitos abertos e fechado. No entanto, ele é pago e custa cerca de R$ 40.

TripWhistle Global SOS

Esse é um aplicativo interessante para quem percorre o mundo atrás de locais de mergulho. Ele reúne os números de emergência de 196 países, incluíndo polícia, bombeiros e ambulâncias. Além disso, fornece a sua localização exata com latitude e longitude. É grátis para dispositivos com iOS.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Conheça o Diveroid, equipamento barato que pretende substituir câmera aquática, bússola, computador e logbook

Conheça o Diveroid, equipamento barato que pretende substituir câmera aquática, bússola, computador e logbook

imagem-destacada-conheca-o-diveroid-equipamento-barato-que-pretende-substituir-camera-aquatica-bussola-computador-e-diario-de-bordo

Mergulho não uma atividade barata, principalmente quando colocamos na ponta do lápis o custo com os equipamentos. Para diminuir este custo, a Artisan & Ocean criou o Diveroid, que promete diminuir investimento dos mergulhadores em diário de mergulho, computadores de navegação, bússola e câmera subaquática.

O gadget que reúne isso tudo está em pré-venda no Kickstarter por US$ 213 (R$ cerca de 850). Ele é barato porque transforma seu celular em um computador de mergulho, sendo um misto de case a prova d’água com lentes para fotos, bússola e diário eletrônico. O dispositivo aguenta até uma profundidade de 60 metros.

Veja o Diveroid funcionando:

Além disso, o foco do Diveroid são os alertas tão importantes para os mergulhadores em tempo real (mesmo ao gravar vídeos ou imagens) para evitar doenças descompressivas, medindo a profundidade, tempo e velocidade de subida com cores e vibrações brilhantes a qualquer momento durante o mergulho.

“Eu estava convencido de que um smartphone poderia substituir um computador de mergulho e isso inspirou nossa criação do DIVEROID.Nosso modelo mais recente é um dispositivo compacto completo que fornece um computador de mergulho de alta qualidade, câmera subaquática, bússola e logbook para aprimorar sua experiência de mergulho. O DIVEROID funciona com quase todos os smartphones do mercado e é o único computador de mergulho modular existente acoplável à carcaça do smartphone”, explica Jungil Kim, CEO e fundador da Artisan & Ocean.

Conheça algumas das características do Diveroid:

  • Computador de mergulho inovador, câmera subaquática de alto funcionamento, bússola e diário de mergulho em um dispositivo compacto que funciona convenientemente com praticamente qualquer smartphone disponível. Além disso, possui um recurso de ajuste de botão interno registrado por patente para que seu smartphone se encaixe perfeitamente no dispositivo. O novo aplicativo da DIVEROID também suporta o modo de mergulho livre, que inclui alarme de profundidade, apneia estática e muito mais.
  • Permite que a câmera do seu smartphone funcione totalmente debaixo d’água, incluindo o uso de diferentes ângulos da câmera, incluindo correção de largura ultra larga, ampla, zoom, selfie e cor, com simples operação de botão para fotos em alta resolução e vídeos em 4K.
    Não é mais necessário manter seus diários de bordo à mão. A aplicativo do gadget mantém seus diários de bordo automaticamente e sincroniza com suas fotos / vídeo, para que você possa revisar completamente todo o mergulho de relance.
  • Possui um sistema de O-ring duplo com um alcance à prova d’água de 60 m (200 pés) e é fabricado com materiais de qualidade, incluindo Gorilla Glass e Policarbonato resistente a riscos e fibra de vidro para alta resistência e durabilidade, para suportar as condições do oceano. A bateria interna do dispositivo também dura mais de 500 mergulhos, estimados em dois anos.
  • Sistema Anti-Fog – O fog dentro da caixa destrói as imagens subaquáticas. O DIVEROID possui um sistema embutido, incluindo cinco ‘dissipadores de calor’ ‘, que drenam o calor e evitam o embaçamento.

Veja como é o logbook:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Rio de Janeiro terá guia de mergulho com mapeamento de belezas naturais

Rio de Janeiro terá guia de mergulho com mapeamento de belezas naturais

imagem-destacada-rio-de-janeiro-tera-guia-de-mergulho-com-mapeamento-de-belezas-naturais

O Rio de Janeiro tem muitas belezas escondidas do fundo do mar e que agora estão sendo reveladas no primeiro guia de mergulho do Rio de Janeiro. Um mapeamento que é resultado do projeto Ilhas do Rio, criado pelo Museu Nacional. Dentre os tesouros identificados está uma “esponja-carioca” de cinco centímetros de diâmetro, chamada Latrunculia janeirensis, espécie descoberta há seis anos.

O lançamento do ‘Guia de Biodiversidade Marinha e Mergulho nas Ilhas do Rio’ está previsto para dezembro. No projeto estão envolvidos 19 pesquisadores do Rio e de São Paulo, que mapearam 300 espécies da fauna e da flora marinha. Eles destacaram também 10 pontos da costa, incluindo naufrágios, como pontos de mergulho. Tudo com informações e fotos, na publicação que será bilíngue e gratuita.

Revelações do Guia

Dentre o conteúdo que será apresentado no guia, estão informações sobre espécies que até agora só podem ser encontradas no Monumento Natural das Ilhas Cagarras. A área é habitat do polvo Octopus Vulgaris, um molusco que é cobiçado pelos pescadores. Também é lá que podem ser visto ouriço-do-mar-gigante (Diadema antillarum), raro no litoral carioca, mas que pode ser observado nas ilhas Comprida e Filhote da Cagarra.

Com informações de O Globo.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Óleo no Nordeste pode impactar o mergulho… e muito!

Óleo no Nordeste pode impactar o mergulho… e muito!

imagem-destacada-oleo-no-nordeste-pode-impactar-o-mergulho-e-muito

Gostaríamos escrever sobre mais uma dica de mergulho, porém diante do crime ambiental ocorrido na costa nordestina, resolvemos manifestar nossa preocupação. Afinal, o mar é fonte para os textos deste blog e para as atividades da Onda Azul. A situação ameaça o turismo e os principais pontos de mergulho da região. São mais de 150 áreas atingidas, 68 municípios, neste derramamento que é o maior em extensão nos últimos 30 anos.

Enquanto voluntários e as autoridades locais se mobilizam, o Governo Federal está mais preocupado em culpar alguém. É o que mostra esse texto dos nossos parceiros da Divers For Sharks. Nele há um resumo do que aconteceu até agora e como a inércia do Ministério do Meio Ambiente pode gerar danos irreversíveis ao litoral nordestino. As imagens deixam qualquer mergulhador de coração partido.

Entre as áreas de mergulho ameaçadas, duas merecem destaque: a Costa dos Corais, região de 130 km entre Alagoas e Pernambuco; e o Arquipélago de Abrolhos, no Sul da Bahia. O primeiro é o segundo maior banco de arrecifes do mundo, que durante a maré baixa podem ser sufocados. Já a segunda é uma área importante para a reprodução das baleias jubarte no Atlântico-Sul, cujo período começa em novembro.

Das áreas atingidas no Nordeste, 16 delas são usadas por aves de espécies migratórias e são importantes para a passagem ou temporada. A contaminação acontece justamente no período em que acontece o ciclo de viagens desses animais. Na imagens que estão sendo divulgadas é possível ver que o óleo já conseguiu matar alguns deles.

“Nesses lugares de descanso, as aves procurar uma sujeirinha como galhos, folhas, para não chamar a atenção do predador. Nos preocupamos porque a interferência [do óleo] não afeta só o local onde se alimentam, mas essa sujeira oleosa pode ser vista como local de refúgio e fazer como eles se melem”, explica Renato Gaban-Lima da Universidade Federal de Alagoas em entrevista ao UOL.

O turismo ainda não sofreu impacto, visto que ainda estamos no período de baixa temporada. Porém há confirmação de que o óleo chegou a locais como Praia de Carneiros (PE), Lençóis Maranhenses (MA), Pipa (RN), Porto de Galinhas (PE) e Morro de São Paulo e Itacaré (BA). Enquanto uma ação grandiosa não vem, resta torcer pelo trabalho dos voluntários e das autoridades locais, pois os danos podem durar por 20 anos.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

A breve história do SS President Coolidge

A breve história do SS President Coolidge

imagem-destacada-a-breve-historia-do-ss-president-coolidge

Espiritu Santo é um destino conhecido no mundo do mergulho como uma das melhores áreas para a atividade. Uma das razões é o SS Presidente Coolidge, considerado um dos naufrágios mais acessíveis que se tem conhecimento.

O presidente SS Presidente Coolidge foi comprado pela Dollar Steamship Company em outubro de 1929, juntamente com seu navio irmão, o Presidente SS Hoover, por pouco mais de US$ 7 milhões cada. Ele foi lançado no dia 21 de fevereiro 1931 pela primeira-dama Grace Coolidge. O batismo foi feito com uma garrafa de água do rio Black River, que passava pelas terras do ex-presidente Calvin Coolidge. Além disso, o EUA viviam a Lei Seca.

Era um navio de luxo, digno do nome presidencial. Na época, o navio (junto com seu navio irmão) era o maior navio mercante construído nos EUA. Chegando a 654 pés, 3 polegadas de comprimento, 81 pés em viga, com uma profundidade de 34 pés e pesando 21.936 toneladas. Foi projetado para acomodar 988 passageiros, além de uma tripulação de 385 pessoas. Não foram poupadas despesas com a decoração do interior, comparável com os melhores hotéis da época. O entretenimento a bordo ‘era o estado da arte’, incluindo duas piscinas de água salgada, academia, cinema, bolsa de valores, salão de beleza e “ar condicionado” por toda parte. Todos os quartos tinham telefone com as cabines de primeira classe e muitos da classe especial tinham banheiros privativos.

Rotas e falência

Lançado em 10 de setembro 1932, o SS Presidente Coolidge obteve sucesso como navio de cruzeiro de primeira classe. Operava em San Francisco, visitou portos como Honolulu, Yokohama, Xangai, Hong Kong e Manila, estabelecendo recordes para travessias transpacíficas, tanto para o leste quanto para o oeste, algumas por até 14 horas. Apesar da depressão econômica, o SS Presidente Coolidge e o SS Hoover eram navios lucrativos. Isso ocorreu em parte por causa de um subsídio por correio do governo dos EUA. Eles eram os navios mais lucrativos da linha. Em 1937, a Dollar Liners foram forçados a alterar suas rotas devido ao crescente conflito entre o Japão e a China, que tornou o porto de Xangai inoperante. De Kobe, o SS Hoover foi instruído a pular Xangai e navegar diretamente para Manila. Ao tentar navegar pela costa nordeste de Taiwan, nos 11 dezembro de 1937, encalhou na Ilha Hoishoto, em parte devido ao mau tempo, e mais tarde foi declarada uma perda completa. Isto, em conjunto com a má gestão grave, levou a Dollar Liners a se tornar insolvente, e por sua vez, sendo tomada pelo governo dos EUA, mudando o nome da empresa para American President Lines Ltd. em 1º de novembro 1938.

Nem um ano depois, a guerra eclodiu na Europa; serviços de transporte normais foram interrompidos quando as rotas se tornaram perigosas. Os Estados Unidos primeiro armazenaram material e depois forneceram suprimentos para as forças aliadas. O Presidente Coolidge, juntamente com outros navios de passageiros, foi mantido ocupado durante os primeiros anos da guerra, evacuando cidadãos americanos de toda a Ásia e posteriormente servindo como transporte para o exército americano, reforçando as guarnições do Pacífico. Foi em uma de suas últimas viagens como navio de cruzeiro que ela estabeleceu um recorde histórico para navios mercantes no número total de passageiros transportados em serviço normal.

Um ano depois, a guerra eclodiu na Europa; serviços de transporte normais foram interrompidos quando as rotas se tornaram perigosas. Os Estados Unidos primeiro armazenaram material e depois forneceram suprimentos para as forças aliadas. O SS Presidente Coolidge, juntamente com outros navios de passageiros, foi mantido ocupado durante os primeiros anos da guerra, evacuando cidadãos americanos de toda a Ásia e posteriormente servindo como transporte para o exército americano, reforçando as guarnições do Pacífico. Foi em uma de suas últimas viagens como navio de cruzeiro que ela estabeleceu um recorde histórico para navios mercantes no número total de passageiros transportados em serviço normal.

Como escolher o seu destino?

Lançado em 10 de setembro 1932, o SS Presidente Coolidge obteve sucesso como navio de cruzeiro de primeira classe. Operava em San Francisco, visitou portos como Honolulu, Yokohama, Xangai, Hong Kong e Manila, estabelecendo recordes para travessias transpacíficas, tanto para o leste quanto para o oeste, algumas por até 14 horas. Apesar da depressão econômica, o SS Presidente Coolidge e o SS Hoover eram navios lucrativos. Isso ocorreu em parte por causa de um subsídio por correio do governo dos EUA. Eles eram os navios mais lucrativos da linha. Em 1937, a Dollar Liners foram forçados a alterar suas rotas devido ao crescente conflito entre o Japão e a China, que tornou o porto de Xangai inoperante. De Kobe, o SS Hoover foi instruído a pular Xangai e navegar diretamente para Manila. Ao tentar navegar pela costa nordeste de Taiwan, nos 11 dezembro de 1937, encalhou na Ilha Hoishoto, em parte devido ao mau tempo, e mais tarde foi declarada uma perda completa. Isto, em conjunto com a má gestão grave, levou a Dollar Liners a se tornar insolvente, e por sua vez, sendo tomada pelo governo dos EUA, mudando o nome da empresa para American President Lines Ltd. em 1º de novembro 1938.

Nem um ano depois, a guerra eclodiu na Europa; serviços de transporte normais foram interrompidos quando as rotas se tornaram perigosas. Os Estados Unidos primeiro armazenaram material e depois forneceram suprimentos para as forças aliadas. O Presidente Coolidge, juntamente com outros navios de passageiros, foi mantido ocupado durante os primeiros anos da guerra, evacuando cidadãos americanos de toda a Ásia e posteriormente servindo como transporte para o exército americano, reforçando as guarnições do Pacífico. Foi em uma de suas últimas viagens como navio de cruzeiro que ela estabeleceu um recorde histórico para navios mercantes no número total de passageiros transportados em serviço normal.

Um ano depois, a guerra eclodiu na Europa; serviços de transporte normais foram interrompidos quando as rotas se tornaram perigosas. Os Estados Unidos primeiro armazenaram material e depois forneceram suprimentos para as forças aliadas. O SS Presidente Coolidge, juntamente com outros navios de passageiros, foi mantido ocupado durante os primeiros anos da guerra, evacuando cidadãos americanos de toda a Ásia e posteriormente servindo como transporte para o exército americano, reforçando as guarnições do Pacífico. Foi em uma de suas últimas viagens como navio de cruzeiro que ela estabeleceu um recorde histórico para navios mercantes no número total de passageiros transportados em serviço normal.

Vida nova

Quando os Estados Unidos entraram na guerra, após o ataque a Pearl Harbor pelos japoneses no final de 1941, todo o transporte foi controlado pela War Shipping Administration. O SS Presidente Coolidge foi reformado e pintado de cinza marinho, para iniciar sua segunda vida como transporte de tropas e transportar soldados e suprimentos vitais para o Pacífico. Curiosamente, a Marinha dos EUA ‘sugeriu’ alguns elementos no projeto do SS Presidente Coolidge (e do Hoover) que facilitaram a conversão, incluindo a capacidade de montar armamentos defensivos nos conveses dos navios. Quando a conversão foi concluída, a maioria dos itens e móveis luxuosos havia sido removida, embarcada ou substituída por equipamentos mais utilitários. Equipado, ele podia transportar mais de 5.000 soldados, mais tripulação e banheiros extras foram adicionados para atender ao aumento da capacidade humana.

O SS Presidente Coolidge fez uma série de pistas para o Sul-Pacífico transportando tropas e suprimentos antes que ela fez sua última viagem de San Francisco no 6 º de outubro 1942 com destino a que era então conhecido como o Novas Hébridas e a ilha de Espiritu Santo.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Diminui o avistamento de tubarões-baleia no Caribe

Diminui o avistamento de tubarões-baleia no Caribe

imagem-destacada-diminui-o-avistamento-de-tubaroes-baleia-no-caribe

Uma situação preocupante no Mar do Caribe: diminui a quantidade de tubarões-baleias avistadas naquela região. Considerado um dos habitats espécie por causa das águas oceânicas tropicais e quentes temperadas, além da farta quantidade de alimentos.

As causas passam pela poluição dos mares, a pesca predatória, mas também pelo turismo desenfreado. São muito os casos de animais que ficam machucados por causa dos barcos que se aproximam dos animais. Além disso, o contato em geral interrompe o processo de alimentação dos peixes. Como mostra o vídeo abaixo.

Nós, mergulhadores, não devemos apoiar esse tipo de turismo predatório. Mais do que isso, devemos trabalhar pela preservação dos locais que são a base das nossas atividades: os mares.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email