A ilha espanhola que foi preservada por um jovem escocês

A ilha espanhola que foi preservada por um jovem escocês

imagem-destacada-a-ilha-espanhola-que-foi-preservada-por-um-jovem-escoces

A ilhota chamada do Frade,  na costa do município de Águilas, em Murcia (Espanha) é conhecida por ser um rico sítio arqueológico com materiais de alguns povos que passaram pela região como os romanos e muçulmanos. Mas a história do local também passa por um misterioso morador:  Hugh Pakenham Borthwick.

Borthwick era um jovem inglês que habitou a região a partir de 1912. Segundo os historiadores, chegou ao local acompanhado por dois empregados e vários cachorros. Morou sobre uma espetacular jazida arqueológica, onde havia possíveis restos de um edifício monumental, moedas, um assentamento romano e evidências muçulmanas.

Antes do morador ilustre, toda essa riqueza despertou o interesse, por exemplo, do Rei Carlos III, que enviou uma expedição que documentou o muro que cerca parcialmente a ilha. No entanto, o jovem escocês nunca se interessou em explorar este material. Em 1920, sem razões aparentes, abandonou o lugar, que nunca mais voltou.

Quarenta e oito anos depois, 1968, os descendentes Borthwick pediram a propriedade da ilhota em formato cônico com uma área de 6,2 hectares e que se eleva a uma altura máxima de 93 metros acima do nível do mar. Porém já havia prescrevido o prazo e o tesouro arqueológico passou, dessa forma, às mãos do Estado.

Cientistas que tentam completar um quebra-cabeças

Os especialistas  da Área de Arqueologia da Universidade de Murcia (Grupo de pesquisa iArqUM) e do Museu Arqueológico de Águilas veem estudando o local desde 1979, quando começaram as escavações.  Os primeiros vestígios encontrados foram de artefatos romanos. No entanto, desde que foi encontrada uma necrópole islâmica com uma tumba infantil, os estudos apontam para outra direção. Há muitos mistérios a serem desvendados neste pequeno pedaço do Mediterrâneo.

Outro mistério que cerca Frade é um muro que rodeia a ilha. A primeira referência  sobre a construção corresponde ao tenente-coronel do corpo dos engenheiros espanhol Juan Escofet que, em 1773, o interpretou como “uma fortificação”, uma muralha. Foi construído com alvenaria e a erosão marinha o deteriorou. Quevedo suspeita, entretanto, que não se trata propriamente de uma muralha, “e sim de uma poderosa estrutura que ajudou no desenvolvimento urbanístico da ilha”. Por enquanto, não foi possível datar com precisão sua edificação e determinar sua função exata.

Um barco cheio de ânforas romanas e lingotes; tanques espalhados pela ilha; além de vários fragmentos que estão espalhados pela região. Nada disso despertou a curiosidade de Hugh Pakenham Borthwick, mas agora estão sendo usados para tentar responder as questões dos pesquisadores.

Com informações do El País.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Grécia deve ganhar primeiro museu subaquático em 2021

Grécia deve ganhar primeiro museu subaquático em 2021

imagem-destacada-grecia-deve-ganhar-primeiro-museu-subaquatico-em-2021

A Grécia é conhecida por preservar muitos monumentos clássicos como o Partenon. Agora, quem for visitar o país, também poderá se deliciar com um museu subaquático. A atração iria ser inaugurada no ano passado, mas teve a abertura adiada por causa da pandemia da Covid-19.

O museu está localizado no Parque Nacional Marinho de Alonissos e Espórades do Norte, no Mar Egeu. O local é a maior reserva de proteção marinha da Europa e, por causa do medo dos saqueadores, tinha o acesso restrito a pesquisadores e quem tivesse uma licença especial. Agora, mergulhadores amadores podem se aventurar nos 24 metros de profundidade e conhecer os destroços preservados do naufrágio de Peristera de 425 a.C.

Testes durante a pandemia

O ano de 2020 foi péssimo para o Turismo. Por causa disso, o museu realizou um projeto piloto entre agosto a outubro do ano passado. Mergulhadores amadores, acompanhado por instrutores puderam visitar a área do naufrágio

“Tem havido um bastante interesse do mundo todo. É a primeira vez que o local recebe tantos mergulhadores experientes. Acredito que, nos próximos anos, Alonissos ocupará seu lugar no mapa de mergulho global”, afirma Kostas Efstathiou, do Centro de Mergulho Alonissos Triton, em entrevista a National Geographic.

Para quem era mergulhador avançado houve a disponuibilização de quatro visitas por dia, e aqueles sem experiência em mergulho podiam fazer aulas para conhecer o local.  Quem não quiser participar desta aventura, mas deseja conhecer o local, poderá ver imagens em tempo real por meio de uma câmera. Há outras quatro, porém só os cientistas têm acesso a elas.

Mesmo com restrições de viagem em vigor impostas pelo coronavírus, a fase piloto do museu atraiu 66 visitas subaquáticas programadas e 246 mergulhadores visitantes, um cenário inicial otimista para a inauguração oficial, prevista para junho de 2021.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

As histórias mais relevantes para os nossos leitores

As histórias mais relevantes para os nossos leitores

imagem-destacada-as-historias-mais-relevantes-para-os-nossos-leitores
O ano de 2020 não foi fácil para ninguém.  Mas vamos terminá-lo mostrando quais foram os artigos mais lidos neste blog, em um ano que tivemos nossas atividades suspensas por causa do isolamento imposto na maior parte do Brasil.
Neste ano falamos sobre sete curiosidades do memorável Jacques Cousteau, pesquisador, mergulhador que inspira muita gente mundo afora. Sempre bom lembrar, sobretudo, do entusiasmo deste francês em conhecer o mundo e preservá-lo.
O ano foi tão estranho que até inauguraram o primeiro museu subaquático do mundo, na Austrália. Detalhe que a atração fica bem próxima da Grande Barreira de Corais, considerado um dos Patrimônios da Humanidade.
E por falar em recifes, mostramos um estudo que propõe uma nova abordagem em mergulhos feitos neste ecossistema. O mergulho é uma atividade humana que interfere no Meio Ambiente, por isso, é necessário medir os impactos e repensar as nossas atitudes,
Falamos também sobre morte… mas de transatlânticos! Você sabia que existe um ‘cemitério’ para eles? Com a pandemia da Covid-19 muitos deles foram sepultados por causa do aumento das dívidas das empresas de turismo.
Mas também trouxemos uma novidade para quem tem medo de mergulhar. Uma espécie de boia que ajuda na flutuação e aumenta a confiança de quem está começando a se aventurar.

Esperamos um 2021 melhor e com vacina. Feliz Ano Novo!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Papai Noel mergulha no Aquário do Rio

Papai Noel mergulha no Aquário do Rio

imagem-destacada-papai-noel-mergulha-no-aquario-do-rio

No Rio de Janeiro, o Papai Noel anda mergulhando no AquaRio.  Todos os dias, às 14h, até o dia 27.12, bom Velhinho e seus doentes mergulham tubarões da espécie Mangona e os dois mil animais no Grande Tanque do aquário, localizado na Praça Mauá, Centro do Rio de Janeiro.

Para a ação, o AquaRio investiu em decoração temática com uma árvore de quase três metros de altura que fica dentro do Grande Tanque. Além disso, nos dias 23 a 25 de dezembro haverá um concerto natalino debaixo d’água com um maestro e mergulhadores simulando tocar violino, harpa, trompete.

Veja o calendário para a visitação do AquaRio no fim de ano.

  • Dia 24/12/20 – das 10h às 14h (com entrada ao circuito de visitação até às 13h);
  • Dia 25/12/20 – das 12h às 18h (com entrada ao circuito de visitação até às 17h);
  • Dia 31/12/20 – das 10h às 14h (com entrada ao circuito de visitação até às 13h);
  • Dia 01/01/21 – das 12h às 18h (com entrada ao circuito de visitação até às 17h).

Serviço

O ingresso custa de R$ 70 (crianças de 3 a 11 anos) – brasileiros e estrangeiros; jovens de 12 a 21 anos (brasileiros); estudantes (brasileiros); pessoas com mais de 60 anos (brasileiros) e pessoas com deficiência (brasileiros e estrangeiros)?; R$ 70 (moradores e pessoas nascidas no Estado do Rio de Janeiro); R$ 100 (turistas brasileiros); R$ 110 (cidadãos do Mercosul); R$ 140 (ingresso individual estrangeiros que não se enquadrem nas modalidades acima) e crianças menores de 3 anos não pagam.

Mais informações podem ser obtidas no site.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Polônia inaugura a piscina mais profunda do mundo

Polônia inaugura a piscina mais profunda do mundo

imagem-destacada-polonia-inaugura-a-piscina-mais-profunda-do-mundo

A Polônia inaugurou a piscina mais profunda do mundo com 45,4 metros de profundidade, preenchidos com nada menos que 8 mil m³ de água. A quantidade é suficiente para encher 20 piscinas de 25m .  Foram gastos 40 milhões de zlotys (em torno de R$ 57 milhões) e dois anos para construir o complexo de mergulho, localizado na cidade de Mszczonow.

Mergulhadores profissionais e amadores podem usar o local, que é chamado de complexo Deepspot.  Na marca dos 10 metros até 20 metros de profundidade há cavernas com ruínas maias nas paredes para que os visitantes se aventurem.  Mas nada de peixes ou qualquer espécie animal na água.

Um hotel e um restaurante são outras atrações para quem não quiser entrar na água. O visitante pode ainda observar as atividades por passagens internas criadas na piscina.  Segundo o diretor do complexo Deepspot, o local também será usado para treinamento de bombeiros e do exército polonês.

No entanto, a fama como a piscina mais profunda do mundo deve durar pouco: centro de pesquisa e treinamento marítimo britânico pretende inaugurar uma piscina com 50 metros de profundidade deve ser inaugurado em 2021.

Veja como foi a construção da piscina.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Universidade inglesa criou um ‘polvo-robô’

Universidade inglesa criou um ‘polvo-robô’

imagem-destacada-universidade-inglesa-criou-um-polvo-robo

Ao que parece para a Ciência nada é impossível. Pesquisadores da Universidade Queen Mary, em Londres estão desenvolvendo um polvo robótico. É assustadora como a invenção consegue produzir com perfeição os movimentos do animal. Veja o vídeo:

Além disso, o vídeo do Mashable mostra que o robô tem tentáculos e consegue mudar de direção há um obstáculo na sua frente. O projeto deve utilizar o polvo biônico para estudar a vida marinha.

Assustador!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Conheça o primeiro museu de arte subaquático do mundo

Conheça o primeiro museu de arte subaquático do mundo

imagem-destacada-conheca-o-primeiro-museu-de-arte-subaquatico-do-mundo

Não há como negar que o fundos de mares e oceanos são grandes museus, constituídos por esculturas e obras naturais, que levaram milhares de anos para serem construídas. Mas parece que isso não é o suficiente para o escultor Jason deClaires Taylor, que criou o Museum Of Underwater Art ou Museu de Arte Subaquática, localizado perto de Grande Barreira de Corais, na Austrália.

Ele está localizado a 18 metros de profundidade, em uma estrutura de 64 toneladas e 12 metros de diâmetro. Em sua primeira exposição, o museu recebeu 20 estátuas representando estudantes estudando justamente os corais da barreira. Intitulada Coral Greenhouse, essa primeira exposição também inclui três esculturas representando a flora local, como árvores de eucalipto e outras árvores típicas da região. As esculturas foram feitas em aço não corrosivo com pH neutro e componentes que ajudam a saúde da barreira.

Por causa da Pandemia,  a exposição foi adiada, já que seria aberta em abril deste ano.  Agora, mergulhadores podem visitar o museu pegando carona em um dos barcos que saem da Marina John Brewer Reef, localizado a duas horas da costa de Townsville, para visitar o primeiro museu de arte subaquática do planeta. Quem quiser, de quebra, ainda pode se deliciar com outra obra natural: a Grande Barreira de Corais.

Conheça a Floater, a roupa para quem tem medo de ambientes aquáticos

Conheça a Floater, a roupa para quem tem medo de ambientes aquáticos

imagem-destacada-conheca-a-floater-a-roupa-para-quem-tem-medo-de-ambientes-aquaticos
O medo de ambientes aquáticos como piscinas, praias e cachoeiras é uma realidade para muitas pessoas, pensando nisso o surfista e empresário Mark Okrusko inventou a Floater.  A vestimenta se parece com uma roupa de mergulho e também é feita em tecido neopreme.

Mas ao contrário de cintos de flutuação que podem deixar o usuário voltado para baixo e de coletes salva-vidas que podem subir ao pescoço, a Floater apresenta um painel de flutuação no peito e oferece uma maior sensação de segurança e conforto.

A Floater é vendida pela Airtime Watertime e pode ser a solução para quem quer enfrentar o medo de estar na água. Veja um vídeo da roupa em ação.

Como as máscaras de mergulho ajudaram pacientes da Covid19

Como as máscaras de mergulho ajudaram pacientes da Covid19

imagem-destacada-como-as-mascaras-de-mergulho-ajudaram-pacientes-da-covid19

A Covid-19 tem colocado vários desafios ao longo do ano. Um deles é a produção de equipamentos em larga escala. No Brasil, elas foram transformadas em respiradores mecânicos para Unidades de Tratamento Intensivo, ajudando pacientes doentes a respirar. A ideia veio da Itália, quando o país era o epicentro da pandemia.

Aqui, no Brasil, a ideia foi adaptada por vários estados: Piauí, Rio de Janeiro e Minas Gerais, no interior do estado por um médico e professor da Universidade Federal de Lavras, Hélio Haddad Filho.

Em cima dessas máscaras de mergulho, o snorkel, para respirar, é retirado, e adaptada uma conexão produzida em impressora 3D. A função desse conector, já que a máscara de mergulho pega o rosto todo, é uma máscara facial total, é impedir a eliminação de partículas respiratórias para o ambiente. O conector une a máscara ao ventilador mecânico”, explica Haddad.

O uso de máscaras de mergulho adaptadas possibilitaram o retardamento da intubação de pacientes doentes e também ajudaram no tratamento de quem teve que respirar utilizando os aparelhos mecânicos e saiu dos estado grave. Em geral, nesses casos, o doente precisa de auxílio mesmo após a recuperação.

Hilma Hooker: o cargueiro que virou local de mergulho

Hilma Hooker: o cargueiro que virou local de mergulho

imagem-destacada-hilma-hooker-o-cargueiro-que-virou-local-de-mergulho
Era verão de 1984 quando o Hilma Hooker, cargueiro holandês de 1951, apresentou problemas em Bonaire, no Caribe, e foi rebocado porto de Kralendijk com dificuldades técnicas.  A embarcação de 236 pés, construído em Krimpen aan den IJssel, na Holanda, começava a levantar suspeitas das autoridades locais.
De pose da documentação do navio, elas fizeram uma pesquisa na Interpol e no FBI e descobriram que o cargueiro vinha sendo investigado por tráfico de drogas. Vasculhando a embarcação, descobriram uma falsa antepara com 10 toneladas de maconha. A tripulação do Hilma Hooker foi presa e, o navio, apreendido.
Mas operadores de mergulho viram na embarcação uma possibilidade de construir um local que serviço de atração para quem quisesse se aventurar nas águas de Bonaire e pressionaram o governo. A localização do naufrágio foi escolhida a dedo para mergulhadores; fica a pouca distância da costa, próxima a dois recifes de coral e dentro de limites do mergulho recreacional. No 12 de setembro de 1984 o Hilma Hooker foi afundado.
Este vídeo mostra como é explorar o cargueiro holandês. Em nosso último post mostramos a farra do uísque.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email