Foto de polvo ‘fazendo uma selfie’ vence concurso de fotografia

Foto de polvo ‘fazendo uma selfie’ vence concurso de fotografia

imagem-destacada-foto-de-polvo-fazendo-uma-selfie-vence-concurso-de-fotografia

Concurso de fotografia são um alento enquanto as atividades de mergulho não voltam plenamente. Um deles, o “Ocean Art”, divulgou os vencedores da edição de 2020. A competição teve a participação de fotógrafos de 80 países e, por causa da pandemia, eles tiveram que tirar fotos em locais próximos às suas casas, procurar destinos que não tivessem banido a entrada de turistas ou revisitar seus arquivos de outros anos para encontrar registros que pudessem chamar a atenção dos jurados.

Patrocinadores também ajudaram o concurso a arrecadar fundos para ajudar a Organização Mundial de Saúde (OMS) e o Centro de Controle de Doenças (CDC), agência do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, no combate à Covid-19. Apesar de todas as dificuldades impostas pela pandemia as imagens são impressionantes e belíssimas.

O vencedor na categoria ‘Melhor do Show’ foi a foto ‘The Day of the Tentacles’, do fotógrafo Gaetano Dario Gargiulo, feita em New South Wales, na Austrália.  A imagem mostra o polvo  em uma espécie de selfie com a família de Gargiulo.

“No dia da foto, permaneci em uma poça de maré, pois a maré estava muito baixa para me aventurar fora de seus limites. Em uma das partes mais rasas dessa poça, notei um polvo. Coloquei minha câmera perto de sua toca e ele começou a interagir com ela. Saiu da toca e, para nossa surpresa, começou a tirar fotos”, explicou o fotógrafo que também faturou o prêmio da categoria ‘Grande Angular’

Categoria 'Macro'

A foto de Hippocampus Pontohi, cavalo-marinho minúsculo e que vive escondido em recifes foi o vencedor da categoria Macro, registro feito por Galice Hoarau.

Categoria 'Água Fria'

Jon Anderson levou o primeiro lugar na categoria, com um registro feito em Monastery Beach, na Califórnia, Estados Unidos. A imagem é possível ver peixes da família Sebastidae e as algas Macrocystis Pyrifera.

Em raras ocasiões, as estrelas se alinham em Monastery Beach, proporcionando um mar calmo, excelente visibilidade e feixes de luz intensa, como se fossem de catedrais, que penetram a cobertura das algas. Nestes dias, a floresta de algas torna-se um dos mais belos ambientes subaquáticos da Terra“, explica o autor da foto.

Categoria 'Águas Escuras'

De Palm Beach veio o clique ganhador desta categoria, um registro de Steven Kovacs. Ele fotografou um peixe Acanthonus Armatus, cuja aparência não é lá das mais bonitas.

Mesmo que os adultos de aparência sombria vivam a grandes profundidades, ocasionalmente, os peixes mais jovens em desenvolvimento podem ser encontrados em águas muito mais rasas e são muito mais exóticos em sua aparência, com filamentos impressionantes saindo de seus corpos. Provavelmente, isso tem o objetivo de imitar outros organismos para fins defensivos“, explica o Kovacs.

Categoria 'Conservação'

O clique feito por Christophe Chellapermal retrata bem o efeito ambiental da pandemia que estamos vivendo.  Ele registrou a poluição causada pelas máscaras usadas na proteção contra a Covid-19 em La Sallis, na França.

Antes da pandemia de Covid-19, eu acreditava que vivíamos em um mundo onde jovens como Greta Thunberg traziam à luz o fato de que eles foram deixados com o peso dos danos ambientais que as gerações anteriores criaram. Exatamente no momento em que um movimento estava se preparando para entrar em ação, a Covid-19 apareceu e as prioridades de muitas pessoas mudaram. Infelizmente, essas máscaras, um símbolo de nossa irreverência para o meio ambiente, permanecerão no oceano muito depois do fim da pandemia de Covid-19, prejudicando ainda mais um ambiente que já é frágil e resultando em um fardo ainda mais pesado para a próxima geração“, constatou o fotógrafo.

Categoria 'Arte Subaquática'

“Enquanto mergulhava com este crocodilo em Cuba, fiquei deslumbrada com seus dentes afiados. Isso me fez entrar na água com minhas lentes macro. O espelhamento dessa captura dentuça produziu uma imagem única que lembra um teste de Rorschach (personagem do quadrinho ‘Watchmen’). Para mim, rostos intrigantes aparecem no reflexo da água”.

Categoria 'Macro com Câmera Compacta'

A fotógrafa PT Hirschfield conseguiu captar cinco filhotes de cavalo-marinho bebês nadando juntos em Melbourne, na Austrália.  “É difícil capturá-los todos voltados para a mesma direção, pois eles estão constantemente se contorcendo enquanto se movem juntos na água“, explica.

Felizmente, uma câmera compacta pode sincronizar em uma velocidade de obturador muito rápida para capturar esse momento. No último segundo, um desses cinco cavalos-marinhos bebês (cada um tão pequeno quanto uma unha) virou-se de cabeça para baixo, o que só acrescentou um pouco mais de charme e humor a essa imagem“.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Grécia deve ganhar primeiro museu subaquático em 2021

Grécia deve ganhar primeiro museu subaquático em 2021

imagem-destacada-grecia-deve-ganhar-primeiro-museu-subaquatico-em-2021

A Grécia é conhecida por preservar muitos monumentos clássicos como o Partenon. Agora, quem for visitar o país, também poderá se deliciar com um museu subaquático. A atração iria ser inaugurada no ano passado, mas teve a abertura adiada por causa da pandemia da Covid-19.

O museu está localizado no Parque Nacional Marinho de Alonissos e Espórades do Norte, no Mar Egeu. O local é a maior reserva de proteção marinha da Europa e, por causa do medo dos saqueadores, tinha o acesso restrito a pesquisadores e quem tivesse uma licença especial. Agora, mergulhadores amadores podem se aventurar nos 24 metros de profundidade e conhecer os destroços preservados do naufrágio de Peristera de 425 a.C.

Testes durante a pandemia

O ano de 2020 foi péssimo para o Turismo. Por causa disso, o museu realizou um projeto piloto entre agosto a outubro do ano passado. Mergulhadores amadores, acompanhado por instrutores puderam visitar a área do naufrágio

“Tem havido um bastante interesse do mundo todo. É a primeira vez que o local recebe tantos mergulhadores experientes. Acredito que, nos próximos anos, Alonissos ocupará seu lugar no mapa de mergulho global”, afirma Kostas Efstathiou, do Centro de Mergulho Alonissos Triton, em entrevista a National Geographic.

Para quem era mergulhador avançado houve a disponuibilização de quatro visitas por dia, e aqueles sem experiência em mergulho podiam fazer aulas para conhecer o local.  Quem não quiser participar desta aventura, mas deseja conhecer o local, poderá ver imagens em tempo real por meio de uma câmera. Há outras quatro, porém só os cientistas têm acesso a elas.

Mesmo com restrições de viagem em vigor impostas pelo coronavírus, a fase piloto do museu atraiu 66 visitas subaquáticas programadas e 246 mergulhadores visitantes, um cenário inicial otimista para a inauguração oficial, prevista para junho de 2021.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

As histórias mais relevantes para os nossos leitores

As histórias mais relevantes para os nossos leitores

imagem-destacada-as-historias-mais-relevantes-para-os-nossos-leitores
O ano de 2020 não foi fácil para ninguém.  Mas vamos terminá-lo mostrando quais foram os artigos mais lidos neste blog, em um ano que tivemos nossas atividades suspensas por causa do isolamento imposto na maior parte do Brasil.
Neste ano falamos sobre sete curiosidades do memorável Jacques Cousteau, pesquisador, mergulhador que inspira muita gente mundo afora. Sempre bom lembrar, sobretudo, do entusiasmo deste francês em conhecer o mundo e preservá-lo.
O ano foi tão estranho que até inauguraram o primeiro museu subaquático do mundo, na Austrália. Detalhe que a atração fica bem próxima da Grande Barreira de Corais, considerado um dos Patrimônios da Humanidade.
E por falar em recifes, mostramos um estudo que propõe uma nova abordagem em mergulhos feitos neste ecossistema. O mergulho é uma atividade humana que interfere no Meio Ambiente, por isso, é necessário medir os impactos e repensar as nossas atitudes,
Falamos também sobre morte… mas de transatlânticos! Você sabia que existe um ‘cemitério’ para eles? Com a pandemia da Covid-19 muitos deles foram sepultados por causa do aumento das dívidas das empresas de turismo.
Mas também trouxemos uma novidade para quem tem medo de mergulhar. Uma espécie de boia que ajuda na flutuação e aumenta a confiança de quem está começando a se aventurar.

Esperamos um 2021 melhor e com vacina. Feliz Ano Novo!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Papai Noel mergulha no Aquário do Rio

Papai Noel mergulha no Aquário do Rio

imagem-destacada-papai-noel-mergulha-no-aquario-do-rio

No Rio de Janeiro, o Papai Noel anda mergulhando no AquaRio.  Todos os dias, às 14h, até o dia 27.12, bom Velhinho e seus doentes mergulham tubarões da espécie Mangona e os dois mil animais no Grande Tanque do aquário, localizado na Praça Mauá, Centro do Rio de Janeiro.

Para a ação, o AquaRio investiu em decoração temática com uma árvore de quase três metros de altura que fica dentro do Grande Tanque. Além disso, nos dias 23 a 25 de dezembro haverá um concerto natalino debaixo d’água com um maestro e mergulhadores simulando tocar violino, harpa, trompete.

Veja o calendário para a visitação do AquaRio no fim de ano.

  • Dia 24/12/20 – das 10h às 14h (com entrada ao circuito de visitação até às 13h);
  • Dia 25/12/20 – das 12h às 18h (com entrada ao circuito de visitação até às 17h);
  • Dia 31/12/20 – das 10h às 14h (com entrada ao circuito de visitação até às 13h);
  • Dia 01/01/21 – das 12h às 18h (com entrada ao circuito de visitação até às 17h).

Serviço

O ingresso custa de R$ 70 (crianças de 3 a 11 anos) – brasileiros e estrangeiros; jovens de 12 a 21 anos (brasileiros); estudantes (brasileiros); pessoas com mais de 60 anos (brasileiros) e pessoas com deficiência (brasileiros e estrangeiros)?; R$ 70 (moradores e pessoas nascidas no Estado do Rio de Janeiro); R$ 100 (turistas brasileiros); R$ 110 (cidadãos do Mercosul); R$ 140 (ingresso individual estrangeiros que não se enquadrem nas modalidades acima) e crianças menores de 3 anos não pagam.

Mais informações podem ser obtidas no site.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Polônia inaugura a piscina mais profunda do mundo

Polônia inaugura a piscina mais profunda do mundo

imagem-destacada-polonia-inaugura-a-piscina-mais-profunda-do-mundo

A Polônia inaugurou a piscina mais profunda do mundo com 45,4 metros de profundidade, preenchidos com nada menos que 8 mil m³ de água. A quantidade é suficiente para encher 20 piscinas de 25m .  Foram gastos 40 milhões de zlotys (em torno de R$ 57 milhões) e dois anos para construir o complexo de mergulho, localizado na cidade de Mszczonow.

Mergulhadores profissionais e amadores podem usar o local, que é chamado de complexo Deepspot.  Na marca dos 10 metros até 20 metros de profundidade há cavernas com ruínas maias nas paredes para que os visitantes se aventurem.  Mas nada de peixes ou qualquer espécie animal na água.

Um hotel e um restaurante são outras atrações para quem não quiser entrar na água. O visitante pode ainda observar as atividades por passagens internas criadas na piscina.  Segundo o diretor do complexo Deepspot, o local também será usado para treinamento de bombeiros e do exército polonês.

No entanto, a fama como a piscina mais profunda do mundo deve durar pouco: centro de pesquisa e treinamento marítimo britânico pretende inaugurar uma piscina com 50 metros de profundidade deve ser inaugurado em 2021.

Veja como foi a construção da piscina.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Conheça os faróis mais excêntricos do mundo

Conheça os faróis mais excêntricos do mundo

imagem-destacada-conheca-os-farois-mais-excentricos-do-mundo

Encrustado em um precário conjunto de rochas na costa de Andros, na Grécia, o Farol de Tourlitis é tão caprichoso e surreal que parece que concebido em um programa de edição de imagens. Mas ele é 100% real e com uma história bastante difícil deste que foi construído em 1897.

Durante a II Guerra Mundial, o imponente farol foi destruído, depois ficou abandonado durante décadas. Na década de 1990, Tourlitis foi reconstruído para alegria dos visitantes e moradores da região, onde a edificação é uma das atrações turísticas.

Ficou encantado com a história de Tourlitis? Então vamos mostrar 9 faróis bem interessantes ao redor do mundo.

Farol Thomas Point Shoal Light - Mariland, Estados Unidos

Construído em cima de pilastras, em uma área arenosa da Baía de Chesapeake, o farol se destaca na região.  Há outras edificações por semelhantes por lá,  ele é a única que permanece no mesmo lugar desde 1875.

São Nicolau Farol-Igreja - Malorchenske, Ucrânia

O santo é considerado o padroeiro dos marinheiros. A elegante construção que é parte farol, parte igreja, guarda quem navega pelo Mar Negro.  Também é um memorial para pessoas que se perderam no mar.

Farol de Jidá - Jidá, Arábia Saudita

A estrutura futurista resguarda o litoral do Mar Vermelho, que banha a cidade Jidá, considerada Patrimônio Mundial pela UNESCO. Com mais de 132 metros de altura, a população reivindica o título de mais alto do mundo para o farol.

Farol de Kõpu - Ilha de Hiiumaa, Estónia

Uma bela estrutura teve as suas obras concluídas em 1531, o que faz dele um dos faróis mais antigos em atividade no mundo.  Ele é uma estrutura em formato de um prisma retangular, ladeado por pilares conhecido como contrafortes.  O Farol de Kõpu está localizado na colina mais alta da ilha e recebe visitas de milhares de turistas.

Torre de Hércules - Corunha, Espanha

Inspirada no lendário Farol de Alexandria, a Torre de Hércules tem mais de 1900 anos de existência. No século II, a torre recebeu uma reforma que deu ares neoclássicos a construção.  É o único farol romano do mundo que ainda está em funcionamento.

Farol de Baishamen - Hainan , China

Localizada no sudeste da China, esse edifício tem uma torre triangular e base hexagonal foi construído em 2000. Está entre os seis farois mais altos do mundo e está localizado na ilha de Haidian.

Farol de Strombolicchio - Aeolian, Itália

A arquitetura que não tem nada muito impressionante, mas o farol  de Strombolicchio foi construído na ponta de um penhasco de uma ilhota no arquipélago de Aeolian. Esse pedaço de terra é feito de basalto, resquício de uma do núcleo de um vulcão que pode ter erodido há 200 mil anos. Os visitantes tem que subir um lance de escadas na lateral da localidade para chegar ao local.

Farol de Dyrhólaey - Islândia

Posicionado na parte sudeste da costa rochosa da Islândia, o farol é mais uma atração para visitar esta ilha formada por paisagens belas, mas também estranhas. O edifício de aço e concreto foi construído em 1927.

Farol Seven Foot Knoll - Maryland, Estados Unidos

Construído em 1855, é um prédio vermelho construído sobre pilares. Mas diferente do Farol Thomas Point Shoal, mencionado aqui anteriormente, este equipamento ficou obsoleto na metade do século XX. Em 1988, ele foi colocado no píer de Baltimore e virou uma atração turística.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Conheça o primeiro museu de arte subaquático do mundo

Conheça o primeiro museu de arte subaquático do mundo

imagem-destacada-conheca-o-primeiro-museu-de-arte-subaquatico-do-mundo

Não há como negar que o fundos de mares e oceanos são grandes museus, constituídos por esculturas e obras naturais, que levaram milhares de anos para serem construídas. Mas parece que isso não é o suficiente para o escultor Jason deClaires Taylor, que criou o Museum Of Underwater Art ou Museu de Arte Subaquática, localizado perto de Grande Barreira de Corais, na Austrália.

Ele está localizado a 18 metros de profundidade, em uma estrutura de 64 toneladas e 12 metros de diâmetro. Em sua primeira exposição, o museu recebeu 20 estátuas representando estudantes estudando justamente os corais da barreira. Intitulada Coral Greenhouse, essa primeira exposição também inclui três esculturas representando a flora local, como árvores de eucalipto e outras árvores típicas da região. As esculturas foram feitas em aço não corrosivo com pH neutro e componentes que ajudam a saúde da barreira.

Por causa da Pandemia,  a exposição foi adiada, já que seria aberta em abril deste ano.  Agora, mergulhadores podem visitar o museu pegando carona em um dos barcos que saem da Marina John Brewer Reef, localizado a duas horas da costa de Townsville, para visitar o primeiro museu de arte subaquática do planeta. Quem quiser, de quebra, ainda pode se deliciar com outra obra natural: a Grande Barreira de Corais.

A partir de 2021, você poderá visitar o Titanic

A partir de 2021, você poderá visitar o Titanic

imagem-destacada-a-partir-de-2021-voce-podera-visitar-o-titanic
A empresa de turismo OceanGate Expeditions levará pessoas para visitar o naufrágio do Titanic a partir de 2021. O transatlântico afundou em 1912 depois de colidir com um iceberg em sua primeira viagem, quando ia de Southampton (Inglaterra) a Nova York, matando 1.500 pessoas.
Até então um seleto clube de pessoas viu os destroços do navio, entre eles o diretor James Cameron, cineasta responsável pelo filme sobre o transatlântico em 1997. Para quem não lembra, longa foi protagonizado por Leonardo DiCaprio e Kate Winslet, recebeu catorze indicações e venceu em onze categorias.
As primeiras seis viagens já estão esgotadas, com 26 pessoas reservando lugares. As visitas serão realizadas de maio a julho próximo ano, por meio de um submarino especial da OceanGate Expeditions capaz de resistir a pressões em grandes profundidades.
Mas se você se interessou em participar desta aventura terá que responder a um questionário, informando altura e peso. Já estão vetadas as pessoas que sofrem de claustrofobia e problemas de enjoo no mar.
Além disso, há um etapa antes de ver o navio: um treinamento para saber se o aventureiro suporta ficar em um submarino com espaço reduzido.
Ah! O pacote de oito dias custa R$ 718 mil, com viagem de navio partindo de Saint John (Terra Nova, Canadá) e o mergulho dura cerca de oito horas. Uma aventura interessante, porém cara e desgastante.

Veja o trailer de 'Titanic - O Filme' (1997).

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Conheça o cemitério dos transatlânticos na Turquia

Conheça o cemitério dos transatlânticos na Turquia

imagem-destacada-conheca-o-cemiterio-dos-transatlanticos-na-turquia

A crise provocada pelo novo coronavírus acertou em jeito as empresas de cruzeiro. Um sinal disso está na cidade de Aliaga, na Turquia, onde está localizado um estaleiro especializado em reciclagem naval e que agora é o destino de transatlânticos de empresas como Pullmantur, Carnival Cruises e Royal Caribbean.

Uma matéria do jornal O Globo mostra que a cidade, que está bem próxima de portos turcos de Bodrum, Kusadasi e Istambul, que dão acesso mezzo europeu e mezzo asiático, virou destino para os transatlânticos. A crise na indústria de turismo fez que os cruzeiros sumissem do litoral da Turquia e, quando eles aparecem, o destino é o ferro velho de Aliaga.

Algumas das embarcações já estiveram na costa brasileira. Mas enquanto a situação na área turística é bem ruim, quem trabalha no desmonte dos transatlânticos não tem do que reclamar. Segundo Kamil Onal, presidente de uma das associações de reciclagem naval da cidade, o movimento desse setor nunca foi tão bom.

Mas depois da pandemia, os navios de cruzeiro mudaram o curso em direção a Aliaga de uma forma muito significativa. Houve um crescimento do setor por conta da crise. Quando os navios não encontraram trabalho, passaram a desmontar“, disse em entrevista à Reuters.

Alguns desses transatlânticos são considerados clássicos como é o caso do Sovereign,  considerado um dos primeiros “meganavios”. Ele foi o precursor das embarcações gigantescas que conhecemos atualmente hoje. Com 12 deques, foi o maior navio do mundo em sua época, e estabeleceu padrões de grandeza, design e áreas de lazer a bordo seguidos pelas décadas posteriores. Esteve no Brasil em 2008.
Outro clássico que está sendo desmontado é o Monarch, inaugurado 1991 e que é de uma classe semelhante ao Sovereign. Ele foi o primeiro grande navio de passageiros a ser comandado por uma mulher, a sueca Karin Stahre-Janson, em 2007. Mas nem toda essa história foi capaz de impedir o destino dele.
A matéria mostra ainda que o desmantelamento de um navio de passageiros completo, do porte dos transatlânticos, pode levar cerca de seis meses. Até janeiro de 2020, o  estaleiro gerou um volume de 700 mil toneladas de aço desmontado e deve chegar a 1,1 milhão de toneladas por mês até o final do ano. Nesta área nada é desperdiçado e até os componentes não metálicos são reaproveitados por gente do setor de hotelaria, que visitam o local para procurar itens.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Presidente da Embratur fala em priorizar o turismo aquático

Presidente da Embratur fala em priorizar o turismo aquático

imagem-destacada-presidente-da-embratur-fala-em-priorizar-o-turismo-aquatico

Recém empossado na presidência da Instituto Brasileira de Turismo (Embratur), Gilson Machado Neto deu entrevista à Revista Época, em que abordou quais serão os seus objetivos nos cargos. Médico veterinário, sanfoneiro da banda de forró Brucelose, ele é dono de uma pousada em São Miguel dos Milagres (Alagoas).

Dentre as principais propostas, Neto avalia que o Brasil precisa de incentivar mais o turismo de mergulho. Na modalidade, o esportista procura locais onde pode explorar a biodiversidade, naufrágios ou que tenham uma atração aquática. Segundo o presidente da Embratur, esse tipo de iniciativa é “muito forte pelo mundo e gera bons recursos nos país onde é incentivado”.

Para viabilizar a ideia, Neto afirma que vai procurar as empresas privadas da área de turismo. “Queremos atrair parceria com parques, equipamentos e clubes náuticos como marinas, estátuas, monumentos de afundamentos de navios e aviões de guerra, museus submersos, campeonatos de pesca, locais para a contemplação da natureza e biodiversidade”, explicou durante a entrevista.

Além de abordar o turismo de mergulho, área que a Onda Azul atua, Neto disse ainda que um dos principais problemas do Brasil é a burocracia. Ele aponta que “entraves desnecessários causam a perda de uma massa de turistas”. Esse cenário, junto com o alto preço das passagens e a violência, impedem o aumento do fluxo de visitantes no país.

Se conseguir desburocratizar o setor, já teremos um grande avanço para no setor de Turismo. Segundo a pasta que trata do assunto, em 2018 o Brasil recebeu cerca de 6,6 milhões de turistas. Um número expressivo, mas comparado ao Museu do Louvre (10,2 milhões) em Paris, vemos que ainda podemos ir mais longe.

Leia a entrevista completa.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email